something

sexta-feira, junho 09, 2006

É a vida….

10:30 Acordo assustado com o despertador. Procuro onde meti o telemóvel, que esta sempre no mesmo sitio. Com o sono, nunca sei onde estou, nem onde estão as coisas. Levanto-me, faço a barba olhando-me ao espelho faço um pequeno comentário “estou mais gordo” e entro no duche. Volto ao quarto, ligo a televisão, meto num canal de música. Quando me apercebo da música de porcaria que esta a dar, mudo de ideias e ligo o computador. Faço uma pequena playlist com as músicas mais recentes no meu computador, e faço a cama. Preparo algo para comer. Almoço e olho para o relógio, penso será que ainda tenho tempo para engomar uma camisa? Mais tarde constato que sim. Depois de uns pequenos cálculos mentais, vejo que só tenho 10 minutos para estar na estação do metro. Agarro num livro, e abalo. Entro no metro e sento-me, viagem habitual, quase nem dou por ela passar. Quando dou por mim, ouço uma voz conhecida a dizer “Próxima estação, Entrecampos, a correspondência com a linha de Sintra, Azambuja e eixo norte-sul.” Saio, olho para o relógio e penso “vá lá, ainda tenho tempo para um cafezito no senhor Zé”. Á saída do metro saco um jornal do metro, reparo que estão dobrados de uma maneira especial, o que achei extremamente agradável. Costumo sempre dobrar daquela maneira o jornal, mas desta vez já estava dobrado. Fantástico. Vou direito ao Sr. Zé. Nem preciso de pedir um café. Sempre quis isso, ir todos os dias ao mesmo café, chegar lá nem pedir nada, basta chegar lá e já ouvimos o barulho do metal da maneta da maquina do café no ferro do saco do lixo, seguido da patilha do moinho do café. Abro o jornal, e vejo em letras bem grandes “As ganzas são mais fáceis de arranjar”. Penso um bocado neste título. E sem me aperceber, um aroma fez com que virasse a minha cabeça. Não sei se era por simples sugestão do título, mas que me cheirava a ganza, cheirava. Procurei alguém, a fumar ao pé de mim. E passado uns 5, 10 segundos, encontro o que procurava, um tipo sentado num banco, no meio da praça, a fazer uma ganza. Pensei é preciso ter lata, fiquei indignado, cheguei a ficar aborrecido, ofendido com aquele indivíduo. Um local com tão agradável aroma a café acabado de tirar, e de repente aparece aquele indivíduo e estraga a cena toda. Mas pronto nada a fazer. Volto a olhar para o relógio, dou meia volta e vou para o trabalho, pensando que o que tinha acontecido tinha sido simplesmente uma grande coincidência. Simplesmente É a vida……

domingo, abril 02, 2006

live and learn....

It don't matter, when you turn
Gonna Survive, you live and learn
I've been thinking about you, baby

By the light of dawn,
A midnight blue ... day and night ...
I've been missing you.I've been thinking about you, baby.
Almost makes me crazy,
Come and live with me.

Either way,
Win or Lose,
When you're born into trouble,
You live the blues,
I've been thinking about you, baby.
See it almost makes me crazy

Times, Nothing's right, if you ain't here
I'll give all that I have, just to keep you near
I wrote you a letter,
I tried to, make it clear
You just don't believe that i'm sincere
I've been thinking about you, baby.

Plans and schemes, hopes and fears
Dreams that deny, for all these years
I, I've been thinking about you, baby
Living with me,

I've been thinking about you, baby
Makes me wanna [hoooo, hoooo]

Times, Nothing's right, if you ain't here
I'll give all that I have, just to keep you near
I wrote you a letter, darling, tried to make it clear,
But you just don't believe that I'm sincere

I've been thinking about you, baby
I want you to live with me,
I've been thinking about you, baby
I want you to live with me.......

Não, não é dedicado a ninguem. Se julgares que es tu, é porque provavelmente não és. Entretanto, fico a espera de aparecer alquem a quem dedicar esta letra.

quarta-feira, fevereiro 01, 2006

Zambujeira...


...desde ai que a minha vida mudou. Finalmente tive coragem de lutar por aquilo que quero fazer, e lutar para evitar fazer aquilo que não quero. Foi a melhor passagem de ano de sempre. Conhecer gente nova, conhecer sitios novos. Gente diferente. Gente que mesmo não nos conhecendo bem, nos querem bem. Fez-me sentir bem. Sentir livre. Animou-me. Acho que foi a melhor maneira de começar o ano. Entre amigos. Ja a muito tempo que não sentia aquela sensação de acordar de manha, com uma vontade enorme de viver. Lá senti. E depois é claro, o mar. Deixar-me dormir a ouvir o mar. Estar a noite na praia. Com imensa gente. Uma passagem de ano sem ver uma simples briga. Sem uma simples confusão. Acho que esta imagem é a que melhor retrata a minha sensação em relação a Zambujeira do Mar.

sábado, novembro 19, 2005

Coçar os tintins...

Estava a ver a repetição nos MTV music awards, e epá, fiquei pasmado com uma situação. Eu pensava que o grandioso gesto de coçar os tintins, era típico dos português de 3 classe. Daqueles que se apresentam com um palito ao canto da boca, com uns rayban verdes, imagem típica do Zé Manel taxista. Acho que o acto de coçar os tintins fazia parte da fatiota de qualquer português. Aquela atitude de ir no belo do carris, com o sovaco a cheirar mal e a coçar os tintins. Eu sinceramente pensava que essa imagem desse típico português tinha desaparecido. Mas parece que não, ou melhor, parece que nos evoluímos, e passamos a não coçar, ou se estamos mesmo aflitos, fazemo-lo de uma forma discreta. Metendo a mão no bolso das calças por exemplo, mas nada pelo exterior, chama muito a atenção. Bem o melhor mesmo é mão coçar. Mas como eu estava a contar, estava a ver o MTV music awards, e entra o artista chamado shaggy acompanhado com a gaja que tem a mania que é portuguesa, a nelly furtado. Eles entram começam a apresentar e ele sempre com a mão nos tintins. Não cheguei a perceber se ele tinha algum problema ou se era só para mostrar que tinha ali alguma coisa. Só sei que aquilo perturbou-me. Acho que o que para nós é encarado como uma imagem má e de certa forma primitiva, para outros é encarado como uma atitude viril. Eu continuo a achar nojento, pelo amor de deus.

domingo, outubro 16, 2005

epa não sei...

She stepped into the park
I gave up looking for angels
Each moment loving the last one
The fear is walking us byI understand all her demons
Relying on the day she will see
Shine on
Your freedom,I cannot bear
I'll try to be immune to the sadness
Now I pretend we are loversI keep wondering why
Shine on
You defy, I remain
Prisoner of your decisions
I dream, you laugh
I can remember how it started
One day, you'll see
Detaills will make all the difference
I love you, goodbye
Now you know i'm gone
Shine on


se pudesses ler isto... eu não estaria como estou...

domingo, setembro 25, 2005

Pensem vocês num titulo…

Não sei o que escrever. Ando sem imaginação, sem ideias. Para tudo. Passo os dias a espera de um dia melhor. Vejo pessoas com sorrisos sentidos, com aquela alegria que se nota a quilómetros. Gostava de estar assim. Mas não estou, não por falta de vontade, mas por falta de alguma coisa que não sei o que é. Gostava de saber o que é. O que me falta que antigamente tinha. Ah, antigamente. Aqueles dias em que sorrir fazia sentido, sabia bem. Mas parece que ultimamente cada vez que tento sorrir há sempre alguma coisa que me estraga o sorriso. Eu não acreditava na sorte e no azar. Acreditava que as coisas aconteciam porque nós assim queríamos. Se queríamos ter sorte, tínhamos. Antigamente era assim. De certa forma ainda acredito que o homem de amanha é feito das batalhas de hoje. Mas não é a mesma coisa. Acho que mesmo se lutar imenso na batalha de hoje, não vou ter sorte para o homem de amanha ser alguém com um sorriso. Não há nada. Simplesmente não há nada que me faça ficar com um sorriso. É claro que ainda me consigo rir. Mas depois da situação, volto ao normal. Será que sou eu que não quero sorrir? Ou terei medo de voltar a sorrir de novo? A vida tem me ensinado que depois de um sorriso sentido, vem uma grande tristeza. Alguém me diz se há sorrisos eternos? Mas no fundo não quero um eterno. Para mim, um de um segundo que fosse chegava. Bastava sentir realmente esse sorriso. Agradeço o esforço de todos aqueles que tem tentado tirar um sorriso meu. Agradeço a determinação, mas acho que para o ter realmente tenho que ser eu a consegui-lo. E amanha o que me espera? Mais um dia, igual aos outros. Sozinho. Passei a dividir os dias em secções. Secções do almoço, do jantar, de dormir, de aula de condução, etc. Os dias passam mais rápido assim. Não custam tanto a passar. Nunca pensei que custasse tanto mudar de vida. Talvez seja o meu feitio que me esteja a dificultar a mudança. A vontade de querer viver a vida de antigamente esta sempre presente. Mas eu sei que não a posso ter. Grande confusão a minha cabeça. Sempre fui assim. Tenho que ver se mudo isto. Talvez quando conseguir sorrir. Talvez amanha ou depois.

quinta-feira, setembro 08, 2005

Bem amanha vou para lisboa. Lá vou eu outra vez para a correria do costume. Para o meio das pessoas frias. E mais uma vez afastar-me dos meus amigos. Mas pronto tem que ser. Hoje perguntaram-me se eu andava triste, não, não ando triste, ando a precisar de emoções na minha vida e não consigo nem ninguem me as consegue dar. Farto desta vida de rede expressos. Farto de escrever. Farto de tudo. Ainda estou a pensar se vou publicar isto ou não. Ah k se lixe aqui vai.